Investimento

A UE é a principal fonte e o principal destino do investimento direto estrangeiro (IDE) a nível mundial. O IDE para entradas e saídas desempenha um papel fundamental na criação de crescimento económico sustentável, oportunidades de negócio, emprego, desenvolvimento tecnológico e inovação. Atrair mais fluxos de IDE é também fundamental para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), em especial nos países em desenvolvimento. Além disso, a promoção do investimento sustentável em África é uma das ações propostas na Comunicação da UE «Rumo a uma estratégia global com África.

A UE tem um dos regimes mais abertos e transparentes do mundo para o IDE. As existências de IDE detidas por investidores de países terceiros na UE ascendem a cerca de 6,295 milhões de euros. As empresas ou os indivíduos investem noutro país para localizar a sua produção em locais economicamente eficientes ou com elevado nível de competências, para fontes ou matérias-primas ou para se aproximarem dos seus clientes. No caso da UE, tal significa o acesso a um mercado único altamente integrado constituído por 500 milhões de consumidores.

A UE mantém normas elevadas para a proteção do investimento no seu território e, em contrapartida, procura um ambiente de investimento atrativo semelhante para os investimentos da UE e para os investidores no estrangeiro.

Investir na UE

Se desejar investir na UE, encontrará aqui as ligações para os sítios Web dos organismos de promoção do investimento dos Estados-Membros da UE que fornecem informações sobre as oportunidades de investimento, as medidas a tomar e as regras aplicáveis.

Investir no estrangeiro

As existências de IDE detidas no resto do mundo por investidores residentes na UE ascenderam a 7,412 mil milhões de EUR no final de 2017. A política de investimento da UE é prosseguida através da negociação (por exemplo, Austrália, China, Indonésia e Japão) e da aplicação de acordos bilaterais ou através da cooperação em instâncias internacionais (por exemplo, a OCDE, a CNUCED, o Tratado da Carta da Energia e a OMC). Na sua política de investimento, a UE visa:

  • garantir condições de concorrência equitativas para que os investidores da UE possam aceder aos mercados estrangeiros, não são objeto de discriminação ou não são tratados de forma incorreta
  • facilitar o investimento, de modo a que os investidores da UE no estrangeiro possam beneficiar de um ambiente empresarial mais previsível e transparente
  • promover o investimento que apoia o desenvolvimento sustentável, o respeito pelos direitos humanos e normas laborais e ambientais elevadas
Partilhar esta página:

Ligações rápidas