História da empresa:

O chá deixa a Europa para novos mercados

O chá deixa a Europa para novos mercados

Em 2013, Yianna Mattheou e Aphroditi Florou fundaram Anassa Organics. As duas mulheres gregas estavam determinadas a trazer produtos gregos de qualidade para o mercado mundial, estando as exportações firmemente no centro do seu plano de negócios. Sediada fora de Atenas, a empresa concentra-se na produção de chás de plantas biológicas de qualidade. Ao longo dos anos, a Anassa Organics marcou a sua marca, ganhando prémios pelo sabor, pela embalagem e pelo espírito empresarial. A Anassa Organics obtém todos os ingredientes dos seus produtos, bem como a embalagem, na Grécia.

Atualmente, a Anassa Organics exporta metade dos seus produtos, principalmente para o Canadá, a Coreia do Sul, o Japão e Singapura, tendo os acordos comerciais da UE um impacto real e positivo nas vendas.

Estimular a competitividade

A cofundadora Yianna Mattheou explica que um acordo comercial «é um incentivo claro e facilita a nossa vida». Os dois principais benefícios, segundo Mattheou, são o preço e a burocracia. A exportação para países longínquos acrescenta invariavelmente taxas de transporte elevadas aos custos de produção. Se quisesse acrescentar tarifas, as chás herbáceas de Anassa tornar-se-iam muito caras para o consumidor final, com as tarifas de importação e os direitos a aumentar o preço de retalho dos seus produtos em 10 % a 25 %, tornando-os menos competitivos no mercado local. O comércio livre de direitos, possibilitado pelos acordos comerciais da UE, significa que podem vender os seus produtos a preços atrativos.

Os acordos comerciais da UE com o Canadá e o Japão já tiveram um impacto significativo nas nossas empresas e estamos confiantes de que continuarão a afetar positivamente as nossas vendas, a criar mais emprego a nível local e a tornar os produtos gregos mais conhecidos em todo o mundo.
Aphroditi Florou,
cofundador da Anassa Organics

Minimizar a burocracia

O Japão, com a sua cultura cerealífera de chá, é um mercado fundamental para as teias herbáceas de Anassa Organics. O Acordo Comercial UE-Japão significa que a exportação para o Japão é fácil e pouco dispendiosa. A Anassa Organics trabalha em estreita colaboração com um parceiro japonês responsável pela comercialização e venda dos seus produtos no Japão. A Anassa ficou muito surpreendida por considerar que a única documentação suplementar necessária para vender no Japão era um certificado de origem e um simples conhecimento de embarque — o contrato de transporte entre o carregador e o transportador, que também demonstra a propriedade das mercadorias. Graças ao acordo comercial entre a UE e o Canadá, tal é igualmente o caso quando a Anassa Organics exporta para o Canadá. Para exportar para Singapura, o acordo comercial UE-Singapura significa que apenas necessitam de um conhecimento de embarque.

Navegar através das alfândegas

A Anassa Organics tem igualmente experiência de vender os seus produtos em países que não têm acordos comerciais com a UE. O contraste é forte. Por exemplo, se não existir um acordo comercial, o importador deve primeiro registar os produtos da Anassa Organics junto da organização competente do país; este processo, por si só, pode demorar entre dois e cinco meses. Em seguida, o produto pode exigir ensaios, certificados adicionais e declarações dos fabricantes. Este processo árduo envolve tempo suplementar, taxas e procedimentos aduaneiros, tanto do fornecedor como do importador. Mas, uma vez concluído um acordo comercial, este processo desaparece. Sem registos adicionais, sem ensaios, sem certificados, sem declarações — apenas operacionais.

A Anassa Organics emprega atualmente 12 pessoas diretamente e apoia 10 produtores de ervas de toda a Grécia, bem como outros fornecedores. Para as pequenas empresas europeias dinâmicas, como a Anassa Organics, os acordos comerciais da UE proporcionam uma via clara para os mercados mundiais.

Partilhar esta página:

Ligações rápidas